"T" Outpatient Department – a proposal for the inclusion of transvestites in Primary Health Care in So Jos do Rio Preto

Published: June 16, 2010

Em virtude do preconceito, estigma e incompreensão a condição de  travestis, imputado pela sociedade, serviços de saúde e outros  equipamentos sociais; historicamente marginalizados, tem sido  ignorado que esta população tem as mesmas necessidades de  outros cidadãos. O acesso ao atendimento humanizado, acolhedor  e livre de qualquer discriminação e a atenção ás especificidades  desta população, incentivou a criação do SAÚDE " T " –  ambulatório de saúde integral para as Travestis, numa parceria  entre governo ( Centro Municipal de Prevenção e Diagnóstico em  DST/Aids de São José do Rio Preto) e sociedade civil ( GADA –  Grupo de Amparo ao Doente de Aids e ARTTS – Associação  Riopretense  de Travestis e Transexuais ), que atende aos  princípios do SUS especialmente quanto ao acesso, direito à  atenção integral e a equidade.

O Ambulatório atende uma vez por semana, das 18h às 22h, em  uma UBS . horário  escolhido de acordo com a necessidade  referida pela própria população (as travestis). além da consulta  médica são realizadas consultas de enfermagem com todas as  usuárias, ações de prevenção e testagem das DST/HIV/Hepatites  B e C, busca ativa de sintomáticos respiratório de Tuberculose,  orientações sobre câncer de próstata, discussão de temas de  interesse da população, atualização de vacinação, disponibilização  de insumos de prevenção e abordagem sindrômica das IST, em  sala de espera ou individualmente. A idéia do ambulatório não é de segregar ou criar guetos, mas sim  de dar visibilidade às especificidades de saúde desta população. 

Observamos que foi de extrema importância a implantação do  mesmo para possibilitar a redução de vulnerabilidades das  travestis, pois a inclusão neste equipamento social estabeleceu  uma relação de confiança, respeito, dignidade e um sentimento de  pertença a estas travestis.

Leave a Reply